Violência Gera Violência

“Gentileza gera gentileza”. Por anos a fio Gentileza espalhou pela cidade o seu grito de paz, seu gesto de amor e a sua obstinação contra a violência e é, por ironia, exatamente a população que presenciou, durante longos anos, a pregação do profeta, que hoje vive amedrontada, acuada pela violência.
Gentileza em sua frase singela dizia que violência é ao mesmo tempo causa e efeito.Os meios de comunicação costumam tratar a violência como uma fera, que hiberna, e, principalmente nos períodos eleitorais, sai da toca, faminta e pronta para devorar os cidadãos cariocas. 
Durante as campanhas, os jornais se enchem de fatos trágicos que depois desaparecem. Parece que a paz voltou a reinar. Ledo engano.  E é exatamente isso que também compõe o quadro da violência. Sua utilização por conveniência.Um arrastão assusta e é uma grande violência. Igualmente é violência os desvios de verbas públicas. Só que os jornais os estampam sem o rótulo da violência.
Há a violência motivada pelo submundo, pela casta dominante e pelo poder econômico. Essa jamais se acabará enquanto prevalecer os sistemas de dominação e passará sempre para as gerações futuras como história: Segunda Guerra Mundial. 55 milhões de mortos, 35 milhões de mutilados, 20 milhões de órfãos, 190 milhões de refugiados etc.
Mas há também uma violência que impregna nosso dia-a-dia, que podemos mitigá-la, quiçá evitá-la, porque é uma violência sem motivação, sem cabimento. Qualquer estatística demonstra que 80% dos atos violentos são praticados por familiares, amigos, vizinhos e colegas de trabalho. Segundo a UNICEF 18 mil crianças e adolescentes são espancados diariamente no Brasil por familiares e isto é a principal causa de morte de jovens entre 5 a 19 anos.
Exceto a possibilidade de tratar-se de um tipo de doença social, não há justificativa para tanta agressividade. Quantos não saem de casa sem antes se persignarem e bastam entrar em seus carros para assumirem atitudes agressivas. O resultado, parodiando o profeta Gentileza, só pode ser: Violência gera violência.
Vamos refletir  sobre o que podemos fazer para diminuirmos a violência, sem sentido, sem justificativa, sem causa e sem ideologia.
Quem sabe prestemos atenção na música da Angélica que diz: “Há palavras mágicas que tem o poder maior que abracadabra…”. 


Isaac Domingos da Silva
Mestre Maçom